Memes das Bookaholics

MEME – TODO DIA É DIA DO LEITOR

Quando e como se tornou um(a) leitor(a)?

Eu aprendi a ler um pouco tarde porque passei boa parte da minha infância em casa – era uma maravilha! Já assisti a quase todos os programas da TV Cultura da minha época! – e só depois de um tempo, quando eu aceitei melhor a idéia de ir à escola (sempre fui muito apegada à minha mãe) é que fui aprendendo a ler. Sempre gostei das letras, de formar palavras e de ver as pessoas lendo o que quer que fosse, descobrindo coisas novas… De tanta curiosidade, acabei me rendendo aos encantos dos livros!

Me tornei leitora aos 7 anos por incentivo das professoras e do meu avô que tinha uma modesta biblioteca em casa.

Logo que aprendi a ler, com seis anos de idade. Tudo o que era relacionado com letras, eu lia. Quando ia pra escola, ficava lendo os nomes das lojas, o que estava no outdoor… Tudo!

Lembra-se do primeiro livro?

Por incrível que pareça, ACABEI de me lembrar do primeiro! Teve uma feira literária na escola e eu quis muito Chapeuzinho Vermelho. Uma menina da minha sala quis ele também (eu estava só olhando) e disse que ia levar! Eu fiquei tão desesperada que cheguei em casa chorando, pedindo aos meus pais darem um jeito de comprar, porque sabia que ela poderia ter levado e que eu ficaria sem. Passei a noite bem mal por causa disso. Mas no dia seguinte, quando eu chego na escola, quem está lá me esperando? O livro da Chapeuzinho Vermelho! Eu fiquei tão feliz! \o/ Até hoje ele está guardado!

Putz… Eu não lembro! Mas sei qual foi o primeiro que comprei, A Revolta dos Livrinhos, da Lielba M. A. de Brito Ramos. Muito fofo!

Infelizmente eu não me lembro. Como eu gostaria de lembrar, viu!?

Como todo dia é dia do leitor, quanto tempo você lê diariamente?

Eu não me forço a ler todos os dias. Quando ando muito ocupada, eu até não leio, mesmo que sobre um tempinho – acabo fazendo outras coisas que também são prioridades (ficar com os meus pais, ouvir música, ficar no Twitter, arrumar as minhas coisas). Queria muito poder ler de madrugada, porque a leitura rende e tudo fica bem silencioso, mas a Fernanda dorme no mesmo quarto que eu. Ela diz que não se importa da luz ficar acesa mas, como EU me importo se é o contrário (ela ficar lendo), prefiro não fazer com ela o que não quero que façam comigo.
Enfim, mas quando eu tenho tempo de sobra, eu leio a qualquer momento e, se a leitura me prender, passo horas a fio, sem nem perceber…

O máximo de tempo que eu tiver. Agora com a faculdade ficou meio complicado, porque fico estudando, mas reservo pelo menos uma hora por dia.

Isso depende muito da quantidade de afazeres que o dia me reserva e, principalmente, depende do quanto o livro me prende. Ontem eu li, mais ou menos, 3 horas. Hoje eu não li mais que uma hora.

Você está lendo…?

Agora eu estou lendo Nove Minutos com Blanda, da Fernanda França! \o/ É tão legal! Mas eu morro de raiva do Max e, muitas vezes, da Blanda! Ela está fazendo besteira, parece que sabe, mas não faz nada! Uma vontade de ter uma conversa séria com ela tem me assolado todos os dias… Eu recomendo!

Sussurro, da Becca Fitzpatrick! Gente, o que é o Patch? =O #mamãeeuquero

 

A Imaginação Hiperativa de Olivia Joules

 

MEME – O LIVRO PERFEITO

Qual o gênero do livro perfeito?

Não posso fugir do romance. Nossa, não tem leitura que não me prenda mais que um bom romance! =D Amo YA books e chick-lits, de verdade, mas os romances estão no topo da minha lista, com certeza.

Romances! Mas logo encostado vem o chick-lit e os YA books, é tããão bom! *-*

 

Com certeza chick lit, seguido de perto pelos YA books.

 

Qual a época do livro perfeito?

Gosto da época contemporânea. É gostoso ler sobre os anos que se passaram e tal, mas o fato de ler algo que se passa no “agora” torna o livro mais “real”, fica muito mais fácil de acreditar que aquela história poderia acontecer com qualquer um quando você vê elementos do seu dia na vida dos outros.

Quanto mais atual, melhor! Ainda mais quando tem referências do nosso cotidiano! Mas tenho uma queda por livros que se passam nos séculos XVIII e XIX!

Contemporânea. Uma vez por mês eu gosto de ler um romance histórico, porque acho interessante para conhecer um pouco sobre a cultura da época que o livro trata, mas, em geral, eu prefiro livros que abordam os dias atuais.

Qual mocinho do livro perfeito?

Ele, além de ser muito bom com os outros, é inteligente, simpático, carismático, um pouco misterioso, corajoso e lindo! =D É aquele cara pelo qual todas babam, todos admiram e gostariam de ser como ele!

Acho que todo mundo já sabe, mas pra mim, não tem mais perfeito que o Edward Cullen! Só que tem tantos outros perfeitos! Tipo o Patch *suspiros*, o Cal de Todo Garoto Tem…

Aquele que além de lindo, charmoso, elegante, educado e bem sucedido tem um coração enorme e é super gente boa, como Austin de Segredos da Minha Vida em Hollywood (Jen Calonita) e John de O Garoto da Casa ao Lado (Meg Cabot).

Qual a mocinha do livro perfeito?

Ela é corajosa, sabe o que quer, defende aqueles que ama, é sensível mas não deixa de ser forte e tem respeito pela vida dela e dos outros.

Eu adoro as mocinhas atrapalhadas e que às vezes parecem estar em outro mundo, mas que quando a situação exige, sabe dar uma boa resposta e tem um raciocínio muito rápido. Tipo a Jane Harris, de Todo Garoto Tem! Eu ADORO ela!

Se não for “a coitadinha” tá valendo, porque eu detesto aquelas com síndrome de pobre coitada e aquelas que não enxergam os defeitos do namorado mau caráter. Gosto das determinadas, persistentes e guerreiras, mas sem aquela dose exagerada de orgulho e escudo que repele todos os pretendentes.

Qual o vilão do livro perfeito?

Os vilões que eu mais gosto são aqueles que, no fundo, têm um lado bem humano. Eles entraram para esse “lado ruim” por falta de instrução, talvez, e que, por mais que nos tire do sério toda página, tem no fundo uma pessoa que só queria ter mais oportunidades de ser feliz. Um exemplo que eu adoro: a Sky, de Segredos de Minha Vida em Hollywood!

Com certeza é aquele que você passa o tempo inteiro com raiva, que você queria enfrentar e que dá um medinho básico. Acho que o Voldemort se encaixa perfeitamente! E essa parte do medinho é verdadeira, eu já tive pesadelo com ele! O_O’

Adoro os vilões burros, rs. Sério. Me divirto com aqueles que acham que estão abafando, mas se metem em cada atrapalhada e se dão mal no capítulo seguinte.

Qual o enredo do livro perfeito?

O enredo não precisa ser o mais elaborado do mundo, nem o mais criativo. O que me chama atenção nos livros é tornar coisas simples em memoráveis. Não adianta nada criar um mundo fantasioso cheio de reviravoltas na história se, no fundo, não houver semelhanças contigo, com a sua vida ou com a de alguém que você conhece. Os livros, pra mim, tratam muito disso: por mais que as histórias sejam completamente diferentes da sua realidade, são algumas características nos personagens, nos lugares ou no próprio desenrolar que fazem você se identificar com ele.

Com certeza aquele que sabe detalhar as coisas que realmente precisavam ser detalhadas. Ninguém merece quando você lê sobre a cor do guarda-roupa que fica no sótão da casa abandonada, esse tipo de coisa. Quem se importa?
Mas um enredo de tirar o fôlego é quando uma mocinha super querida precisa da ajuda de um cara que na hora, ela não gosta, mas que depois ela vai se apaixonando. Lógico que tudo isso com muita aventura!

Quando o assunto é um livro perfeito para mim, eu diria que menos é mais mesmo. Um bom enredo traria descrições do ambiente, da cidade, do café da manhã da personagem, do carro dela SÓ se isso ajudasse, realmente, a entender quem ela é ou como ela age. Um enredo simples e direto, falando só daquilo que importa. Tem uns livros que citam a cor das folhas das árvores, a densidade do ar, a cor do capim e eu me perco todinha. Não gosto mesmo! Quanto mais direto, sem indas e vindas no tempo, melhor também.

Qual o público do livro perfeito?

Uma vez eu me vi perguntando sobre isso, na época que Harry Potter e o Enigma do Príncipe ainda ia sair. Eu conheci pessoas que ficavam muito bravas com a J.K. Rowling porque os livros demoravam a serem lançados, que as respostas de suas dúvidas nunca eram dadas, que tal casal não podia existir, e tantos outros motivos… Eu achava aquilo TÃO desnecessário… Tudo tem o seu tempo! Não adianta escrever um livro às pressas porque seu público quer matar a curiosidade: você tem que escrever conforme a sua criatividade permitir criar a melhor história possível. Então, pra mim, o melhor público é aquele que respeita a vida profissional e a particular dos escritores, que entende que é necessária um espera e que, mesmo que esteja comendo todos os doces do mundo de tanta ansiedade, ainda prestigia o autor com respeito e admiração pelo seu trabalho.

Geralmente jovens e adultos. Quando consegue alcançar as duas faixas etárias então, nossa!

 

Jovens.

Quem seria você no livro perfeito?

Não sei se é possível haver um livro perfeito, principalmente porque já li muitos que marcaram a minha vida. Mas na segunda-feira, durante uma aula de Antropologia Jurídica, o professor estava falando que existem pessoas que carregam a sua história com o maior carinho e têm orgulho de dizer que essa história é sua. Eu comecei a pensar bem sobre a minha e percebi que sou uma dessas pessoas: passei por momentos difíceis, mas não mudaria nada. E como eu tenho MUITA curiosidade em saber como a minha história vai terminar, vou fazer de conta que ela seria um livro e vou falar de personagens que são parecidos comigo: Tenho um pouco da Audrey, de A Música que Mudou Minha Vida (o fato de sentir ânsia quando ri demais – eu achava que isso era só comigo!); um pouco da Emma Corrigan (eu penso em coisas absurdas toda hora. Pode ser a coisa mais ilógica do mundo, mas passa pela minha cabeça); um pouco da Allison, de Paixão Obscura (a teimosia… ^^ Só espero que tenha a sorte de encontrar um Jonah Blackhawk! Cruzem os dedos! \o/); os pés da Kaitlin Burke, de Segredos de Minha Vida em Hollywood (que são enormes); a serenidade da Savannah, de Querido John; a mania de dividir despesas da Mel Fuller, de O Garoto da Casa ao Lado… Enfim, gosto de pensar que a minha vida daria um livro, mesmo que a única leitora dele fosse eu (e a Fernanda, eu imagino).

Eu gosto de pensar que seria a amiga verdadeira que a protagonista ouve, que sabe dar conselhos e quando é necessário, discute e briga para mostrar que o caminho que ela escolheu não é o melhor.

Uma amiga super ocupada, mas que ajudaria e seria um ombro amigo para uma mocinha corajosa e com poucos momentos de piti OU no caso de uma mocinha coitada, vítima, seria aquela amiga/irmã que falaria poucas e boas e sacudiria a criatura.

Qual a capa do livro perfeito?

Eu AMO capas coloridas. Não tem jeito. Essas capas simples são ótimas, mas aquelas cheias de desenhos, com cores fortes, lombadas chamativas, sempre me conquistam… ^^ As cores que estão fora da paleta comum também sempre chamam muito a minha atenção, tipo a de Interligados, da Gena Showalter.

Eu amo as capas com fotografias de tirar o fôlego! Tipo de um casal sentado na grama, com o sol batendo sobre eles, ou capas delicadas, que você poderia ficar olhando e não se cansaria!

Amo capas coloridas e com coisinhas cuti-cuti, rs. Gosto muito das capas de Pobre não tem Sorte 2, Fazendo meu Filme (todos), alguns da Marian Keyes e, ultimamente, estou “in-love” com esta: http://skoob.com.br/livro/135675
Agora, meu livro perfeito com certeza teria desenhos de joaninha, cereja e girafa, com um fundo roxo! hehehe

Qual o título do livro perfeito?

Gosto de títulos que me façam pensar: do que será que a história vai tratar? E os que ficam entre os meus preferidos são aqueles que me fizeram pensar em uma coisa e a história se mostrou outra, mas mesmo assim ainda tinha tudo a ver com o título!

Aquele que você só vai entender quando terminar de ler o livro! Tipo as de Harry Potter, você só descobre o porquê do nome quando está lendo, senão não tem como saber!

Aquele que deixa a pergunta: por que esse nome? Detesto títulos de livros que entregam basicamente tudo do livro ou da obra anterior (no caso de uma série), exemplo: Ame o que é seu, Desculpa quero me casar contigo (oi? Cadê o mistério do primeiro livro sobre o destino do casal?)

Qual escritor do livro perfeito?

Uma mistura de Meg Cabot, Nicholas Sparks, Nora Roberts e J.K. Rowling! =D

 

Um que tivesse um pouco de Meg Cabot e de Sophie Kinsella.

 

Quem merece fazer seu livro perfeito? (indicação)

Eu quero indicar pra todos que queiram fazer! Mas, para os blogueiros, eu indico:
Jéssica , Lis , Mariana,  NatáliaMandyCamila

Como não sei se elas já responderam ou não, já que estou em falta com a maioria, devido minha falta de tempo (desculpa meninas! Mesmo que eu não comente, não deixei de visitar, hein?), vou indicar a Karlinha, a Mariana , a Tathy e a Camila!

Todos os leitores assíduos do Bookaholic!

  • |
  • 14 thoughts on “Memes das Bookaholics

    1. Pelo visto vou ter que dividir o Patch com alguém, Hummm, nao gostei. oO rsrs

      Ahh como eu gostaria de lembrar o nome da autora do primeiro livro que li. =/

      Super fofas vcs !! ^^

      Beeijo

    2. Own, o Austin, de Segredos de Minha Vida em Hollywood é MUITO bom partido! Ele é tão fofo, cuidadoso, interessado no seu dia (no da Kaitlin, no caso)… E quando ela diz que ele é muito parecido com o Chad Michael Murray, meu deus!
      E não tem como não amar o John! Quando ele cuida da Mel, os e-mails que ele passa pro Jason e pra Stacey, se eu não me engano… São os melhores! :23

      Livros com detalhes em excesso são mesmo MUITO chatos! A gente fica doida pra saber da história, do que vai acontecer, e o narrador fica perdido no meio de tanta descrição! Tudo bem, algumas descrições são boas pra imaginarmos a situação e os lugares, mas menos é mais!

      E eu nunca tinha ouvido falar de Acontece a Cada Primavera! A capa é mesmo muito linda! As capas com preto são muito bonitas mas as coloridas comandam!

      OMG, eu acho que eu não respondi qual é o meu autor favorito! Eis a resposta: vários.
      Amo a escrita da Meg, sem sombra de dúvida. Posso pegar qualquer livro dela e sei que vou me divertir muito com as coisas que ela fala, os detalhes que sempre são muito atuais e em sintonia com a minha vida (ou com as coisas que eu penso).
      Também tem a Nora Roberts, com os romances que me fazem suspirar, o Nicholas Sparks, que me emociona (eu estou no início de Noites de Tormenta e já chorei! :34 ), a Sophie Kinsella (Emma! Você é hilária!), JK Rowling, que criou o mundo mais fantástico que eu já tive a oportunidade de ler e, pra fechar, Robin Benway. Apesar de só ter lido um livro dela, sabe quando você se identifica com ela?? Com a escrita, os detalhes, o modo de ver as coisas? Então, eu fiquei desse jeito!

      Adorei as respostas das meninas! \o/
      Beeijo! ;3

    3. Uau, gostei muito das respostas… mesmo. Algumas (poucas) eu responderia quase do mesmo jeito… rs
      Nossa, quem é esse Patch? Ah, de sussurro né? Hum, já nem vou ler pra não ter raiva dele — galãzinhos me deixam enjoado, exceto o Jace, porque a Cassandra me conquistou com a história dela —… KKKKK

    4. Adorei as respostas :28
      Lembro que meu primeiro livro era sobre uma lenda de indios, acho que estava na pré escola kkk, faz tempo.
      Adoro as capas todas cuts que nem a que a Dana falou, mas confesso que aquelas tipo a de Fallen, uma fotografia bem trabalhada me encanta.

      Beijo

    5. Nathalia e Wendy!
      Vocês duas e eu…kkkkkkk

      Sabe o que achei mais legal? AS bookaholics admitirem que adoram romances.
      Houve um tempo, em minha adolescência, que os romances, se não fossem os clássicos, se fossem aqueles romances de banca, tipo Nora Roberts e Laura Elias, eram ‘condenados’… Quanto preconceito, não é?
      Adorei o MEME, embora até hoje ninguém tenha me explicado o que significa MEME.
      cheirinhos
      Ruddy

      1. Rudy, não sei se vou conseguir te explicar exatamente, mas meme é uma especie de brincadira da internet, entre os blogs, geralmente é uma serie de perguntas que você responde e depois convida outras pessoas a responderem. De uma forma geral, na internet também tem os memes que nada mais são aqueles virais que todo mundo começa a usar e nem sabe bem de onde vem, como o “Tenso”, “Senta la Claudia”, e por ai vai… Existem até sites que se propõe a tentar explica-los. Não sei qual a origem da palavra, mas de uma forma geral nada mais é do que uma brincadeira da internet :04 Pra vc entender um pouquinho pode olhar os que temos publicados aqui no blog e se quiser até se aventurar a responder algum nos comentarios, vou adorar ler suas respostas! Beijinhos =*

        1. Pri!
          Agradeço a explicação. Já tinha entendido mais ou menos que era uma participação entre os blogs e acho bem legal, porque podemos saber um pouco mais das opiniões de quem responde… Mas é que sou bem curiosa e gosto de saber os detalhes…kkkkkkk Mesmo assim, valeu!
          cheirinhos
          Ruddy

        2. O negócio do “Aham, Cláudia, senta lá” é de um vídeo da Xuxa num programa bem antigo dela, que a menina (Cláudia) mostra um papel pra ela e a Xuxa só a manda sentar, você já viu?
          O negócio do “tenso” eu não sei de onde surgiu, mas todo mundo fala, já percebeu? Até eu! huahauhauhau

          Eu não conhecia esse site que tentava explicar! Vou lá dar uma olhada! :11

          Beeijo! ;3

    6. Eu lembro do primeiro livro que eu li que me fez gostar de ler. Na verdade foram três: O Barco do Demônio que eu não me lembro o autor, o Estrangulador de Sidney Sheldon e O Estudante que eu não lembro a autora. Beijos :*

    Leave a Reply

    Your email address will not be published. Required fields are marked *